wake up

Nunca fui muito boa em relacionamentos. Pessoas são imprevisíveis, com suas personalidades complexas e seus sonhos idealizados. Há quem sinta a necessidade de companhia, eu funciono melhor sozinha.
Mas até que ponto uma pessoa pode apelar pra sua individualidade sem abrir mão de qualquer relacionamento? Afinal, somos seres humanos, nascemos pra viver em bando, nascemos pra procriar. E se a gente tiver criado uma barreira tão grande entre o mundo e nós mesmos que nem mesmo a gente consegue atravessar?
Acho extremamente difícil criar laços. É como se eu tivesse aquele mundo inteiro só meu e, de repente, alguém quisesse entrar e mudar tudo de lugar. Quando você se conecta a alguém, você muda. E eu tenho medo de mudanças.
Por medo de mudar, a gente acaba criando relações supérfluas e foge tudo o que leve tais relações a um maior nível de intimidade. Eu, por exemplo, nunca acordei com ninguém. Sou aquela garota que chama um taxi no meio da noite e vai embora antes que você acorde. Não porque a noite não foi boa, mas porque acordar ao lado de alguém sempre foi mais do que eu conseguia lidar.
Se eu aprendi algo com a vida é que o tempo passa o tempo todo, e cada risco que deixamos de correr é uma oportunidade que deixamos pra trás.
Cansei de ter na vida alguém com quem dormir. Eu quero ter alguém com quem acordar.

Advertisements

One thought on “wake up

  1. Sei exatamente como pensa, o receio de perder a individualidade que tanto ama, evitar de cair no joguinho bobo dos casais que parecem encoleirados e se envolvendo numa trama entre desconfianças e ciúmes. Sei exatamente porque sou assim.

    Mas eu já provei do outro lado e confesso que foi uma experiência maravilhosa, até porque foi com uma pessoa que não me sufocava com ciúmes e havia uma confiança mútua que dava mais espaço apenas às coisas boas.

    Sou alguém que sempre incentiva a pessoa se auto conhecer, quase todo mundo precisa ficar mais sozinho, elas vivem num mundo depende de outras, como se isso fosse uma requisito essencial para a felicidade. A felicidade deve partir de dentro.

    Quando se sabe o que gosta, o que quer, quem é, é capaz de ser mais feliz e deixar as outras pessoas te fazerem mais feliz. Tal como sexo.

    E não tenho medo das mudanças, pois elas irão acontecer o tempo todo, quer você queira, quer não. Eu as amo! São elas que nos faz sentir que ainda estamos vivos, que não somos uma fotografia.

    Sem pressa, curta sua individualidade. Mas deixe aberto para quem alguém que te faça querer tornar sua individualidade se tornar uma parceria e assim sua empresa da vida bater recordes de crescimento. ;]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s